Suspeitos de aplicar golpe telefônico milionário é presa pela polícia

Dois homens foram presos nesta quarta-feira (10), no bairro Tatuquara, suspeitos pelo crime de estelionato. Segundo a polícia, William Nunes de Sousa, de 26 anos, e Anderson Deus da Silva, 33, são suspeitos de aplicar golpes fraudando o sistema de telefonia.

Segundo as investigações, os crimes causavam prejuízos de mais de R$ 1 milhão por mês aos consumidores. O grupo estava na mira da polícia havia três meses, depois que uma empresa de telefonia procurou a delegacia de estelionato.

O golpe

A dupla criava um número de telefone estrangeiro, invadia os sistemas da operadora e com os dados dos números fixos particulares dos clientes, programava ligações que geravam custos para os verdadeiros proprietários das linhas.

“Eles conseguiam fazer com que o seu telefone, da sua residência, gerasse pulsos durante uma noite inteira. É como se o seu telefone ligasse para a Inglaterra, com custo ao minuto de R$ 4 ou R$ 5. E esse dinheiro era revertido para a conta dos estelionatários”, explicou o delegado Emmanuel David, titular da Delegacia de Estelionato.

Em um dos casos, o número que recebia as ligações programadas era de um falso “Disk Sexo” e todo o valor recolhido pelas ligações ia para a conta dos suspeitos.

A dupla não só invadia o sistema das operadas, como também invadiam a sede das operadoras. Inclusive, os suspeitos foram presos no momento em que estavam tentando copiar os dados telefônicos dentro da sede de uma das operadoras.

Investigações

As investigações continuam com o objetivo de descobrir se outras pessoas estão envolvidas no crime e também para saber quantas pessoas podem ter sido prejudicadas com o golpe.

A orientação da polícia é para quem percebeu ligações seguidas para números de promoções e reality shows televisivos, sorteios ou qualquer outro tipo de promoção onde o telespectador tenha que ligar para gerar pulsos nas ligações, façam registro de Boletim de Ocorrência (BO). 

A dupla se encontra presa e à disposição da Justiça.

Colaboração PCPR

Fonte: massanews.com